Quando fazer cirurgia plastica é um problema

Realizar uma intervenção no corpo deve ser feito quando as necessidades de adaptação se relacionam com o psicológico de uma pessoa. A cirurgia plática se torna um problema quando um paciente vai além da necessidade que realmente existe. Segundo os médicos cadastrados na Associação de Cirurgia Plática, há uma ética que cada médico adota para freiar os impulsos que as pacientes sofrem.

A opinião de Luciana Sander (Psicóloga-clínica e pesquisadora do Instituto de Psiquiatria (IPUB) da UFRJ) a “falta de limites para atingir o padrão estético pode ser considerada um sintoma de desequilíbrio psicológico” e devido a isso muitos médicos ganham fortunas de dinheiro com cirurgias perigosas para suas pacientes ao aproveitar dessa crescente busca por tratamentos.

mulher antes da cirurgia plástica

Uma criança, adolescente ou jovem mulher sempre se compara com os padrões da sociedade e este ponto é considerados como uma doença social pois a cada década estes padrões são cada vez mais exigentes formando uma característica de modificação da mulher para se parecer como uma modelo. Aspectos do organismo, saúde e metabolismo são diferentes para cada paciente e por isso não são todas as pessoas que terão um padrão que lhe é exigido. É por isso que ao se fazer uma cirurgia plástica ou ir ao médico para uma avaliação clínica, deve-se ater para o fato e motivação que está sendo gerado para este fim.